Porto Alegre

18ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, sexta-feira, 24 de Novembro de 2017

  • 14/11/2017
  • 15:04
  • Atualização: 15:42

Autoridades investigam acusações de assédio em estúdio cofundado por Lars Von Trier

Denúncias de nove ex-funcionárias da empresa são contra Peter Aalbæk Jensen, sócio do diretor

Zentropa tem sede em Hvidovre, na Dinamarca | Foto: Facebook / Reprodução / CP

Zentropa tem sede em Hvidovre, na Dinamarca | Foto: Facebook / Reprodução / CP

  • Comentários
  • Correio do Povo

As autoridades dinamarquesas estão investigando alegações de "assédio sexual, degradação e bullying" no Zentropa, o estúdio de cinema cofundado pelo diretor Lars Von Trier. A ação vem em resposta a uma reportagem do jornal Politiken, na qual nove mulheres - todos ex-funcionárias da empresa - falaram de uma cultura de abuso "arraigada" no local. Várias dos entrevistadas disseram que essas atitudes as levaram a deixar de trabalhar completamente no setor cinematográfico.

As alegações centram-se no cofundador e ex-CEO da Zentropa, Peter Aalbæk Jensen, com as mulheres afirmando que ele buscava apertar seus seios e pedir-lhes que “ficassem de joelhos” diante dele. Os principais alvos, conforme a publicação, eram jovens estagiárias, para as quais Jensen pedia que colocassem grampos nos mamilos ou que vacinassem seus porcos na fazenda. Outros atos sexualmente degradantes foram realizados na festa de Natal da empresa, com Jensen supostamente distribuindo prêmios aos funcionários que se despissem mais rápido ou com os cabelos púbicos mais longos.

Uma investigação separada, realizada pelo jornal Dagbladet Information, que falou com vários ex-funcionários da Zentropa, alega que Jensen ofereceria aos trainees "uma palmada" como uma das duas opções de punição, sendo a outra a limpeza dos estábulos de seu sítio. “Eu acho que todos que foram empregados pelo Zentropa foram expostos ou testemunharam certas coisas. Tudo isso foi uma parte arraigada da cultura", afirmou Meta Louise Foldager Sørensen, ex-produtora do estúdio.

Anna Mette Lundtofte, jornalista freelancer que passou um ano no Zentropa ao pesquisar um livro na empresa, fez reivindicações semelhantes. "Vi mulheres degradadas. De acordo com a propaganda Zentropa, eu seria parte de uma "cultura de trabalho alternativa", mas na realidade, encontrei uma estrutura de poder patriarcal antiquada", disse ela.  Jensen, que se demitiu como CEO da Zentropa em 2016, ainda possui 25% da empresa com Von Trier e corroborou algumas das alegações feitas no artigo Politiken como "rituais" recorrentes na empresa. Ele disse que, enquanto ele não tinha lembrança de alguns dos outros supostos incidentes, eles "provavelmente aconteceram". No entanto, ele negou que houve assédio sistêmico na organização. "Vou dizer isso: não tenho interesse em submissão e degradação. Estou interessado em testar fronteiras", afirmou.