Porto Alegre

20ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

  • 07/12/2017
  • 17:00
  • Atualização: 17:43

J. K. Rowling defende permanência de Johnny Depp em "Animais Fantásticos"

"Estamos felizes por tê-lo como um dos personagens principais do filme", disse autora

J. K. Rowling defende permanência de Johnny Depp em

J. K. Rowling defende permanência de Johnny Depp em "Animais Fantásticos" | Foto: Taylor Hill / FilmMagic / Divulgação / CP

  • Comentários
  • Correio do Povo

Após muitos questionamentos, J. K. Rowling se manifestou pela primeira vez sobre sobre a presença de Johnny Depp em "Animais Fantásticos: Os crimes de Grindelwald", segundo filme da saga derivada de "Harry Potter". Em um texto publicado em seu site, a autora defendeu a permanência do ator na franquia no papel do vilão Grindelwald.

"Os fãs de Harry Potter tiveram perguntas legítimas e preocupações sobre a nossa escolha para continuar com Johnny Depp no papel. Como David Yates, diretor de longa data de Potter, já disse, naturalmente consideramos a possibilidade de reformulação", disse, explicando que a participação do ator no longa foi reconsiderada após uma denúncia de agressão feita pela ex-mulher, Amber Heard, no ano passado. "Eu entendo por que alguns ficaram confusos e irritados por que isso não aconteceu", afirmou.

Rowling ainda comentou que a "incapacidade de falar abertamente aos fãs" sobre o assunto tem sido "difícil, frustrante e às vezes dolorosa" para ela. "No entanto, os acordos que foram implementados para proteger a privacidade de duas pessoas, ambos que expressaram o desejo de continuar suas vidas, devem ser respeitados", ressaltou.

Em seguida, a autora declarou que, com base na compreensão que tiveram das circunstâncias, "os cineastas e eu não estamos apenas satisfeitos com o nosso elenco original, mas realmente felizes por ter Johnny como um dos personagens principais do filme". "Aceito que há aqueles que não estão satisfeitos com nossa escolha de ator no papel principal. No entanto, a consciência não é governável por um comitê. Dentro do mundo fictício e fora dele, todos nós temos que fazer o que acreditamos ser a coisa certa", finalizou.