Porto Alegre

18ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, sábado, 27 de Maio de 2017

  • 16/03/2017
  • 15:14
  • Atualização: 15:53

Filmes nacionais estão entre as estreias do cinema nesta quinta

Entre os títulos que entram em cartaz, estão "La Vingança", "Pedro Osmar" e "Another Forever"

Leandra Leal integra o elenco do bem-humorado

Leandra Leal integra o elenco do bem-humorado "La Vingança", que acompanha uma viagem de carro até Buenos Aires | Foto: Divulgação / CP

  • Comentários
  • Correio do Povo

O filme "La Vingança" é uma das estreias dos cinemas nesta quinta-feira. Com direção de Fernando Fraiha e Jiddu Pinheiro, a obra acompanha dois amigos que caem na estrada com destino a Buenos Aires, a bordo de um Opala laranja 72, com uma missão: conseguir ficar com o maior número de mulheres possível. Isso tudo é um plano para “lavar a honra” de Caco, um homem traído pela namorada com um argentino. No elenco, Felipe Rocha, Daniel Furlan e Leandra Leal.

Outro longa brasileiro que entra em cartaz é "Com os Punhos Cerrados”. Quarto longa-metragem dirigido coletivamente por Luiz Pretti, Pedro Diogenes e Ricardo Pretti, o filme foi rodado em Fortaleza (CE) e finalizado por meio de uma campanha de financiamento coletivo. Na história, a partir de uma rádio clandestina, Eugenio, Joaquim e João usam suas vozes para gritar por liberdade e protesto. Seu canal acaba incomodando um empresário e magnata do forró.

O documentário “Pedro Osmar: Pra Liberdade Que Se Conquista” é também estreia. Este filme aborda a vida do músico e poeta paraibano Pedro Osmar. Co-produção entre Brasil e Colômbia, fica disponível ao público a partir desta quinta o drama psicológico “Another Forever”, de Juan Zapata. A história gira em torno de Alice (Daniela Escobar), médica que, ao perder John (Marlon Moreno), entra em depressão, da qual tenta se recuperar empreendendo uma viagem que a leva a confrontar e refletir sobre suas escolhas.

Já o documentário “Jonas e o Circo Sem Lona”, de Paula Gomes, acompanha um garoto que vem de família circense e cria um circo improvisado em seu quintal. Mas nem tudo caminha como ele gostaria, com alguns de seus amigos-artistas (que ele mesmo treinava) deixando o projeto por diversos motivos. O filme começa sem muitas explicações, fazendo o espectador se encantar pelo talento artístico nato de Jonas, para depois conhecer melhor o seu contexto. Nesta opção, reside uma poética visual admirável para um longa-metragem de poucos recursos financeiros como esse.