Porto Alegre

18ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, domingo, 24 de Setembro de 2017

  • 10/07/2017
  • 15:43
  • Atualização: 16:37

Christopher Nolan comenta dificuldades para realizar "Dunkirk"

Longa sobre a Segunda Guerra Mundial chega aos cinemas brasileiros em 27 de julho

Filme reconta a história da Operação Dínamo | Foto: Divulgação / CP

Filme reconta a história da Operação Dínamo | Foto: Divulgação / CP

  • Comentários
  • Correio do Povo

Aclamado por filmes como "Batman: O Cavaleiro das Trevas", "Interestelar", "A Origem" e "Amnésia", o cineasta Christopher Nolan resolveu se reinventar em "Dunkirk", sua mais nova produção. Em entrevista ao jornal The Telegraph, o cineasta contou algumas das dificuldades enfrentadas para realizar o épico de guerra baseado na Operação Dínamo, que conseguiu resgatar mais de 400 mil homens sitiados durante a Segunda Guerra Mundial. O longa estreia nos cinemas brasileiros em 27 de julho.

“Os estúdios estão interessados em filmes sobre americanos, e essa história não tem americanos envolvidos. Então eu não quis abordar isso até ter total certeza de que o estúdio me deixaria fazer um filme britânico, mas com orçamento de um filme americano. Essa foi a oportunidade que tive e aproveitei”, comentou Nolan. Para conseguir o financiamento, ele apostou na experiência que queria levar ao público.

“Minha ideia para a Warner foi a seguinte: vamos colocar o público no cockpit de um avião de caça e deixá-los em um combate com os aviões Messerschmitt. Vamos colocá-los na praia, sentindo a areia por todos os lugares, lutando com as ondas. Vamos colocá-los em pequenos barcos civis saltando as ondas nessa enorme jornada para uma zona de guerra aterrorizante. Vamos fazer a realidade virtual sem óculos”, contou.

Nolan comentou a dificuldade de gravar com muitos figurantes em cena em razão da história relatada. "Há muitos homens na praia, de costas para o mar, não é fácil controlá-los para dar a veracidade que eu queria. Essa é uma das maiores batalhas da história e eu quero contá-la há bastante tempo", revelou. Por conta disso, o cineasta disse que há muita tensão no filme e que rodar as cenas não foi algo simples.

O britânico de 44 anos também comparou a escalação do cantor Harry Styles, ex-One Direction, com a escolha de Heath Ledger como o Coringa, papel que rendeu ao falecido ator o Oscar de Melhor ator coadjuvante."O que vi na audição foi alguém carismático, que tinha uma veracidade e uma sutileza em sua performance como ator. Quando escalei Heath Ledger como o Coringa, muitas pessoas levantaram as sobrancelhas e comentaram", contou. "Como diretor, preciso confiar nos meus instintos, na minha habilidade de perceber quem é a pessoa certa para o papel. Não estou preocupado com a bagagem", finalizou.