Porto Alegre

25ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, quarta-feira, 24 de Janeiro de 2018

  • 06/01/2018
  • 10:29
  • Atualização: 10:38

Cine Iberê exibe "Mr. Sganzerla, os Signos da Luz", do cineasta catarinense Rogério Sganzerla

Documentário recria cenário com referências a Orson Welles, Noel Rosa, Jimi Hendrix e Oswald de Andrade

Rogério Sganzerla, é considerado um dos principais cineastas do Brasil, que revolucionou a arte de interpretar no cinema | Foto: Fundação Iberê Camargo / Divulgação / CP

Rogério Sganzerla, é considerado um dos principais cineastas do Brasil, que revolucionou a arte de interpretar no cinema | Foto: Fundação Iberê Camargo / Divulgação / CP

  • Comentários
  • Correio do Povo

Na primeira edição de 2018, o programa Cine Iberê da Fundação Iberê Camargo (Padre Cacique, 2000) exibe neste domingo, às 16h, o filme-ensaio “Mr. Sganzerla, os Signos da Luz”, de Joel Pizzini. Com comentários do pesquisador em cinema e doutor em Comunicação, James Guterres de Mello, a sessão tem entrada gratuita.

O filme venceu o Festival Internacional de Documentários É Tudo Verdade 2012 e recria o ideário do cineasta por meio de signos recorrentes em sua obra: Orson Welles, Noel Rosa, Jimi Hendrix e Oswald de Andrade, referëncias de seu pensamento. O método de criação, a musicalidade do olhar, o estilo inovador da montagem, a parceria com o diretor Júlio Bressane e o duo com a atriz e companheira Helena Ignez, que revolucionou a mise en scène no cinema são motes. A narração é em primeira pessoa a partir de imagens raras e situações encenadas hoje com personagens-chave de sua obra.

O catarinense Rogério Sganzerla é um dos cineastas mais significativos do Brasil, conhecido pelos clássicos “O Bandido da Luz Vermelha” e “A Mulher de Todos”. Intelectual e transgressor, nos anos 70, no auge da contracultura, fundou com Helena Ignez e Bressane a produtora Belair, que produziu seis longas, em seis meses. Pelo seu caráter anárquico, exilou-se em Londres e com a esposa por mais de 30 anos, revolucionou a arte de interpretar no cinema, produzindo 30 filmes, entre longas, vídeos e curtas. O Cine Iberê é uma atividade paralela às exposições em cartaz no local: “Vivemos na Melhor Cidade da América do Sul” e “Sombras no Sol”.

Confira o trailer: