Porto Alegre

26ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, segunda-feira, 27 de Março de 2017

  • 27/12/2016
  • 15:59
  • Atualização: 17:40

Estrela de "Star Wars", Carrie Fisher morre aos 60 anos

Atriz sofreu um ataque cardíaco na última sexta

Ela interpretou a Princesa Leia na saga galática  | Foto: Ethan Miller / AFP / CP

Ela interpretou a Princesa Leia na saga galática | Foto: Ethan Miller / AFP / CP

  • Comentários
  • Correio do Povo

Carrie Fisher, estrela de “Star Wars”, morreu nesta terça-feira, aos 60 anos. A atriz sofreu um ataque cardíaco na última sexta-feira dentro de um avião e estava internada lutando pela vida desde então.

“É com muita tristeza que Billie Lourd confirma que sua amada mãe Carrie Fisher morreu às 8h55min (14h55min de Brasília)”, diz o comunicado do porta-voz oficial da família, Simon Halls, divulgado pela revista People. "O mundo a amou e sentirá profunda saudade. Nossa família agradece os pensamentos e orações", acrescenta a nota.

Filha do cantor e apresentador Eddie Fisher e da atriz, cantora e dançarina Debbie Reynolds, Carrie Frances Fisher nasceu em Beverly Hills, na Califórnia, em 21 de outubro de 1956. Ela estreou no show business em 1973, no espetáculo musical da Broadway "Irene", estrelado por sua mãe. 

No cinema, seu primeiro papel foi em "Shampoo", de Hal Ashby, em 1975, quando participou de duas cenas. Mas foi dois anos depois que ela ganhou fama mundial, ao interpretar a Princesa Leia em "Star Wars", de George Lucas. Carrie voltou ao papel nas duas sequências da trilogia clássica, "O império contra-ataca" (1980) e "O retorno de Jedi" (1983) e no episódio VII, "O Despertar da Força" (2015). Ela também deve aparecer no Episódio VIII da saga, que atualmente está em fase de pós-produção e tem estreia prevista no Brasil para 15 de dezembro de 2017.

"Eu gostei de ser a princesa Leia. Ou do fato de a princesa Leia ser eu", escreveu no seu livro de memórias sobre a personagem pela qual sempre será lembrada. "Ao longo do tempo, passei a imaginar que nós duas viramos uma só", continuou. Na obra, ela também revelou que teve um caso com Harrison Ford durante as filmagens de "Star Wars"

Na TV, Carrie foi duas vezes indicada ao Emmy: uma vez pela adaptação de um de seus livros ("Wishful Drinking", transformado em monólogo) e outra pela atuação na série "30 Rock", onde apareceu como atriz convidada. Fora das telas, ela também era escritora. Estreou na literatura em 1987, com a publicação do romance "Postcards from the edge", cuja adaptação para o cinema - "Lembraças de Hollywood", no título brasileiro - foi estrelada por Meryl Streep e Shirley McLane e escrita pela própria autora. O filme rendeu a ela uma indicação ao Writers Guild Award.

Depois, como romancista, a artista ainda lançou outros quatro livros: "Surrender the pink" (1990), "Dellusions of grandma" (1993), "Hollywood moms" (2001) e "The best awful there is" (2004), todos inéditos no Brasil. Carrie também escreveu duas peças e três obras de não-ficção. Entre elas está "Memória da Princesa: Os diários Carrie Fisher", que ela divulgava em Londres na última semana, antes de pegar o voo para Los Angeles no qual sofreu o ataque cardíaco. 

Na vida pessoal, Carrie nunca escondeu que era portadora de transtorno bipolar e que chegou a usar cocaína e outros remédios para mascarar os sintomas. No início dos anos 80, também enfrentou uma depressão e teve problemas com álcool. Na época, teve um casamento relâmpago com o cantor e compositor Paul Simon, com quem ficou menos de um ano. Em 1985, ela teve uma overdose de remédios e foi internada, experiência que rendeu o romance "Postcards from the Edge".

Carrie Fisher deixa a filha, a atriz Billie Lourd, de 24 anos, fruto de um relacionamento com o empresário Bryan Lourd, a mãe, o irmão Todd Fisher e também as meias-irmãs Joely Fisher e Tricia Leigh Fisher. Deixa também seu inseparável buldogue francês Gary, que tem até perfil no Twitter.