Porto Alegre

18ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, sexta-feira, 24 de Novembro de 2017

  • 24/10/2017
  • 16:58
  • Atualização: 17:28

Cerca de seis mil cartas de Marcel Proust serão disponibilizadas online

Primeira leva de correspondências estará na Internet em 11 de novembro de 2018

Manuscritos postados online incluirão uma transcrição impressa | Foto: Thomas Samson / Arquivo AFP / CP

Manuscritos postados online incluirão uma transcrição impressa | Foto: Thomas Samson / Arquivo AFP / CP

  • Comentários
  • Correio do Povo

Digitalizar e disponilibizar na Internet cerca de seis mil cartas escritas e recebidas pelo escritor Marcel Proust é o objetivo de um projeto conjunto entre a Universidade do Illinois, nos Estados Unidos, e a Universidade de Grenoble, na França. As correspondências do autor de "Em Busca do Tempo Perdido", uma das grandes obras-primas da literatura, são extraídas do trabalho de Philip Kolb, um professor da instituição norte-americana. Ele calcula que existam cerca de 20 mil documentos do escritor, mas explica que a maioria foi perdida ou destruída ao longo dos anos.

O lançamento do primeiro lote das correspondência coincidirá com o centenário do fim da Primeira Guerra Mundial, em 11 de novembro de 1918, por isso o acervo será composto por textos escritos no período do conflito. "Isso nos permitirá ter uma primeira exibição, com um conjunto coerente", comenta François Proulx, professor de literatura da Universidade de Illinois. "Não estávamos convencidos de que as cartas de sua juventude eram particularmente relevantes", completa Caroline Szylowicz, bibliotecária responsável pela coleção do autor na mesma instituição.

Proust não lutou na guerra, mas seu irmão mais novo, Robert, o fez, e os dois trocaram cartas durante o conflito. Os manuscritos postados online incluirão uma transcrição impressa e o site também oferecerá vários links, incluindo artigos de jornais relacionados à epoca em que as cartas foram escritas para contextualização. "Isso ajuda a decifrar a escrita de Marcel Proust, que nem sempre é fácil de ler", disse Proulx.