Porto Alegre

21ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

  • 16/11/2017
  • 16:57
  • Atualização: 17:34

Escritor nicaraguense Sergio Ramírez ganha Prêmio Cervantes

Autor é o primeiro centro-americano a receber premiação considerada o Nobel das letras hispânicas

Escritor nicaraguense Sergio Ramírez ganha Prêmio Cervantes | Foto: Inti Ocon / AFP / CP

Escritor nicaraguense Sergio Ramírez ganha Prêmio Cervantes | Foto: Inti Ocon / AFP / CP

  • Comentários
  • AFP

O escritor nicaraguense Sergio Ramírez recebeu, nesta quinta-feira, o prêmio de literatura Miguel de Cervantes, o mais prestigioso das letras hispânicas, por transformar a vida cotidiana "em uma obra de arte", anunciou o ministro espanhol da Cultura, Íñigo Méndez de Vigo. Ramírez, o primeiro centro-americano a receber o Cervantes, reflete "a vivacidade da vida cotidiana, transformando a realidade em uma obra de arte, tudo isso com uma excelência literária excepcional", indicou Méndez de Vigo ao anunciar o prêmio. Ele ainda disse que o escritor, de 75 anos, une "a narração e a poesia e o rigor do observador e do autor" através de múltiplos gêneros, do romance à coluna jornalística.

Autor de romances como "Margarita está linda la mar", "Adiós muchachos" e "La fugitiva", e traduzido para 20 idiomas, Ramírez mostrou também comprometimento com a política ao longo da vida. Foi vice-presidente de Daniel Ortega durante a Revolução Sandinista, entre 1985 e 1990, embora depois tenha se distanciado dele e hoje seja uma das vozes mais críticas ao presidente nicaraguense.

Considerado o Nobel das letras hispânicas, o prêmio, de 125.000 euros, volta assim à América Latina, após ter sido entregue ao espanhol Eduardo Mendoza em 2016. O membro do júri e diretor da Real Academia Espanhola, Darío Villanueva, comemorou que o prêmio tenha sido entregue pela primeira vez a um autor da Nicarágua justo quando "acabamos de celebrar o centenário (da morte) de Rubén Darío e os 150 anos do nascimento" do poeta nicaraguense.

O Cervantes, instituído em 1976, já premiou autores como Jorge Luis Borges, Carlos Fuentes, Mario Vargas Llosa, Camilo José Cela, Nicanor Parra e Elena Poniatowska, entre outros.