Porto Alegre

13ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, segunda-feira, 23 de Outubro de 2017

  • 08/06/2017
  • 16:54
  • Atualização: 17:33

Autor português Manuel Alegre vence o Prêmio Camões 2017

Poeta de 81 anos foi anunciado como ganhador da distinção nesta quinta-feira

Alegre, que já foi candidato à presidência de Portugal, é o 12º português a ganhar o prêmio | Foto: Reprodução / CP

Alegre, que já foi candidato à presidência de Portugal, é o 12º português a ganhar o prêmio | Foto: Reprodução / CP

  • Comentários
  • Correio do Povo

O escritor português Manuel Alegre é o vencedor do Prêmio Camões 2017. A escolha do poeta de 81 anos para distinção, que reconhece a "vasta obra literária, traduzida e publicada em diversos países", foi anunciada nesta quinta-feira na Biblioteca Nacional, no Rio de Janeiro, após reunião do júri. Com a escolha, Portugal ganha seu 12º prêmio e se iguala ao Brasil. A cerimônia de entrega será em Lisboa, em data a ser acordada, entre os governos nacionais.

O Prêmio Camões escolhe todo ano um escritor lusófono pelo conjunto de sua obra, que recebe 100 mil euros como prêmio. O júri foi formado pelos escritores Jose Luiz Tavares (Cabo Verde), Lourenço Joaquim da Costa Rosário (Moçambique), Maria João Reynaud (Portugal), Paula Morão (Portugal), José Luís Jobim de Salles Fonseca (Brasil) e Leyla Perrone Moisés (Brasil). Em 2016, o vencedor foi o paulista Raduan Nassar, que, em seu discurso de aceitação, fez duras críticos ao governo. 

"O meu reconhecimento maior é o que vem dos meus leitores através dos tempos, vencendo várias formas de censura. Naturalmente, uma distinção desta natureza tem o significado que tem", disse Alegre em comunicado à imprensa portuguesa.

O escritor

Manuel Alegre nasceu em Águeda em 1936. Foi o primeiro português a receber o diploma de membro honorário do Conselho da Europa. Entre outras condecorações, recebeu a Grã-Cruz da Ordem da Liberdade, no seu país natal, a Comenda da Ordem de Isabel a Católica, na Espanha. Como poeta, começou a destacar-se nas coletâneas "Poemas Livres" (1963-1965). Mas o grande reconhecimento nasce com os seus dois volumes de poemas, "Praça da Canção" (1965) e "O Canto e as Armas" (1967), apreendidos pelas autoridades antes da revolução que pôs fim ao regime político de Salazar em 25 de abril de 1974.

Resistente anti-fascista, Alegre combateu na guerra colonial em Angola para depois não o acusarem de desertor. Foi exilado na Argélia durante o Estado Novo e, como membro do Partido Socialista, foi secretário do ex-presidente português Mario Soares, em 1974. No ano seguinte, foi deputado na Assembleia Constituinte. Por duas vezes se candidatou ao cargo de Presidente de Portugal, em 2006 e 2011. Além disso, seus poemas tornaram-se fados interpretados por grandes nomes como Adriano Correia de Oliveira e Amália Rodrigues.