Porto Alegre

26ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, domingo, 17 de Dezembro de 2017

  • 10/10/2017
  • 07:18
  • Atualização: 08:15

Ospa apresenta seleção lírica especial em concerto

Maestro islandês Gudni Emilsson e soprano brasileira Cláudia Riccitelli são destaques no palco

Soprano brasileira Cláudia Riccitelli se apresenta com a Ospa | Foto: Gal Oppido / Divulgação / CP

Soprano brasileira Cláudia Riccitelli se apresenta com a Ospa | Foto: Gal Oppido / Divulgação / CP

  • Comentários
  • Correio do Povo

A Orquestra Sinfônica de Porto Alegre (Ospa) apresenta uma seleção especial de música lírica em seu concerto da Série Ufrgs, nesta terça-feira, às 20h30min. Trechos de óperas de Rossini, Puccini, Bizet, Giordano, Mascagni e Wagner são os destaques da programação, que será conduzida pelo premiado maestro islandês Gudni Emilsson, regente principal da Filarmônica da Tailândia. A solista convidada da orquestra é a soprano brasileira Cláudia Riccitelli, que vem conquistando plateias nacionais e internacionais, além da crítica especializada. Os ingressos estão à venda na bilheteria do teatro.

O programa apresenta obras emblemáticas das tradições operísticas italiana, francesa e alemã. A noite começa pela Itália, com a abertura de “O Barbeiro de Sevilha” (1816), de Gioacchino Rossini (1792-1868). As árias “Vissi D´Arte”, de “Tosca”(1900), de Giacomo Puccini (1858-1924); “La Mamma Morta”, da ópera “Andrea Chénier” (1896), composta por Umberto Giordano (1867-1948) e “Suicidio” ( La Gioconda) (1876), escrita por Amilcare Ponchielli (1834-1886), ganham forma na voz de Cláudia Riccitelli. O “Intermezzo” de “Cavalleria Rusticana” (1890), de Pietro Mascagni (1863-1945), também está no repertório do espetáculo.

Da França, a Ospa toca o Intermezzo de “Carmen”, ópera de Georges Bizet (1838-1875) ambientada em Sevilha. Por fim, a orquestra rememora algumas das mais belas obras do alemão Richard Wagner (1813 - 1883): a Introdução ao terceiro ato de “Lohengrin” (1850); a abertura da ópera “Rienzi” (1842); a ária “Dich teure Halle” de “Tannhäuser”(1845), com solos de Cláudia Riccitelli; e a abertura da mesma ópera (Tannhäuser) completam a seleção musical.