Porto Alegre

21ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, domingo, 23 de Abril de 2017

  • 12/07/2016
  • 10:09
  • Atualização: 12:55

Biquíni completa 70 anos de história

Criado por Louis Reard, variação do maiô causou escândalo na década de 40

Biquíni completa 70 anos de história | Foto: Jean-Philippe Ksiazek / AFP / CP

Biquíni completa 70 anos de história | Foto: Jean-Philippe Ksiazek / AFP / CP

  • Comentários
  • AFP

Em julho de 1946, o francês Louis Reard provocou um verdadeiro escândalo ao lançar um maiô considerado muito pouco pudico: 70 anos depois, uma exposição conta a história do biquíni através de peças míticas, do primeiro exemplar até o que foi eternizado por Ursula Andress em "James Bond".

"O biquini: uma bomba anatômica" foi o slogam criado para os dois pedaços de tecido, uma faixa para a parte de cima e dois triângulos invertidos para a parte de baixo, vendidos em um pacote do tamanho de uma grande caixa de fósforos. A peça foi tão explosiva que foi batizada com o nome da pequena ilha onde testes atômicos americanos eram realizados. 

Apesar de o biquíni já existir há algum tempo, foi a calcinha de cintura alta, na altura da barriga, a preferida das mulheres no pós-guerra, como evidenciado pelas imagens de pin-up ou atrizes americanas, Marilyn Monroe na liderança.

A chegada do biquíni foi histórica, porque mostrou pela primeira vez o que as mulheres não se atreviam a mostrar, o umbigo. Foi uma dançarina de 19 anos, Micheline Bernardini, que se apresentava no Cassino de Paris, que vestiu o primeiro biquíni da história, em 5 de julho de 1946, para a eleição da mais bela na piscina Molitor, local muito frequentado da capital francesa nos anos 30.

"É comum lermos que nenhuma modelo quis usar a peça. E isso não é verdade", explicam Ghislaine Rayer e Patrice Gaulupeau, que colocaram em exposição sua coleção privada, de 5 mil peças de lingerie e banho. "Réard sempre convocava vedetes ou modelos para seus desfiles". O criador francês também não hesitava em travestir a verdade, com etiquetas "made in USA" ou "Reard of California".... "Ele havia compreendido como funcionava o marketing e a publicidade!", exclama Thierry Virvaire.

Na Europa, sob pressão da Igreja Católica, os governos italiano, espanhol e belga proibiram a venda dos biquínis. Na França, curiosamente, foi permitido nas praias do Mediterrâneo, mas proibido nas do Atlântico. Foi preciso esperar os anos 50 para as estrelas do cinema adotarem o biquíni. Desta forma, a atriz francesa Brigitte Bardot causou histeria durante o Festival de Cinema de Cannes (Sul) em 1953, ao posar de biquíni branco com flores na praia de Carlton.

O público pode admirar as sublimes fotos de "BB", Marilyn Monroe ou Ava Gardner em roupa de banho sexy.  "Foram BB e Marilyn que fizeram do biquíni uma peça emblemática", revela Ghislaine Rayer, que também exibe raras "roupas de banho" de 1880 ou sumptuosos maiôs New Look, nesta exposição gratuita até 24 de julho em Lyon, antes de ir para Nova Iorque em setembro, Miami em dezembro e para um museu do biquíni que será inaugurado na Alemanha em 2017.

"Itsy bitsy"

Em Lyon também estpa exposto uma das peças mais memoráveis, a utilizada por Ursula Andress, quando aparece emergindo das águas, conchas na mão e punhal na cintura, em uma famosa cena de "James Bond contra o Dr. No", de 1962.

"O verdadeiro biquíni do filme foi leiloado pela Christie's por 55 mil euros. Ele havia sido confeccionado às pressas por um pequeno alfaiate indiano", relata a colecionadora. Canções foram dedicadas a ele como em 1960, "Itsy Bitsy, petir bikini", título americano sucesso em todo o mundo, incluindo em português "Biquíni de bolinha amarelinha", que conta a história de uma jovem que usava pela primeira vez um biquíni na praia.

"Mas foi preciso esperar até os anos 1970, quando as mulheres se emanciparam e queimaram o sutiã em público, para que o biquíni, tal como foi concebido por seu criador, voltasse a aparecer, desta vez de forma definitiva", conclui Ghislaine Rayer. Adotado pelas jovens, "ele simboliza a ruptura com a geração precedente", ressalta.

Depois, a maioria das mulheres passaram a escolher as duas peças para se bronzear ao sol, tanto quanto possível. Hoje, o biquíni já não causa escândalo e quase quinze milhões de peças são vendidas a cada ano na França, o maior mercado na Europa. A exposição é organizada pela Mode City, realizada em Lyon, em colaboração com as duas colecionadoras que também contam em "Rétrospective du bikini", livro ilustrado de arquivos inéditos, a sua história.

Ursula Andress em James Bond

Youtube / Reprodução / CP


TAGS » Moda, Variedades, Biquini