Porto Alegre

13ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, segunda-feira, 23 de Outubro de 2017

  • 10/08/2017
  • 14:57
  • Atualização: 15:01

"Nas Sombras do Coração" tem única apresentação no Theatro São Pedro

Espetáculo dirigido por Camilo de Lélis poderá ser conferido neste sábado

Montagem é a primeira adaptação no Brasil da peça radiofônica “Trevas Risíveis”, de Wolfram Lotz | Foto: Gerson de Oliveira / Divulgação / CP

Montagem é a primeira adaptação no Brasil da peça radiofônica “Trevas Risíveis”, de Wolfram Lotz | Foto: Gerson de Oliveira / Divulgação / CP

  • Comentários
  • Correio do Povo

Dirigido por Camilo de Lélis, o espetáculo "Nas Sombras do Coração" ganha uma apresentação única em Porto Alegre neste sábado. A montagem é a primeira adaptação no Brasil da peça radiofônica "Trevas Risíveis", de Wolfram Lotz, por sua vez inspirada no romance “O Coração das Trevas”, de Joseph Conrad, e em “Apocalipse Now”, filme de Francis Ford Coppola. A sessão ocorre às 21h, no Theatro São Pedro (Pça. Marechal Deodoro, s/nº) , com ingressos entre R$ 30 e R$ 60 (inteira).

Na mais recente montagem da Cia Teatral Face&Carretos, dois soldados alemães viajam por um grande rio na selva do Afeganistão, buscando um oficial renegado que enlouqueceu. Em meio a isso, eles vivenciam o estranhamento dos costumes nativos, o medo arcaico do canibalismo, num universo desconhecido, onde há brincadeira em meio à dor e à desolação; misticismo misturado à sexualidade; horror em meio ao encantamento.

O roteiro de Lotz se ambienta no próprio espírito da globalização. Conforme o diretor, o espetáculo "não nos joga num lugar específico, na África de 'Coração das Trevas' ou no Vietnã de 'Apocalipse Now', ou até mesmo na Amazônia latino-americana devastada por interesses do capitalismo, mas no âmago da globalização em seus aspectos mais sórdidos e inconfessáveis". "A peça traz um texto urgente sobre a nossa incapacidade de compreender, realmente, o que nos é estranho: o horror de uma guerra distante, uma cultura diferente, um povo diferente e finalmente a nós mesmos", comenta.

Como resultado, o espetáculo é provocativo e busca a reflexão política em múltiplas camadas de linguagens teatrais nas quais principalmente a farsa e a epopeia estão presentes. Em cena estão Denizeli Cardoso, Diego Acauan, Diego Steffani, Fabrizio Rodrigues, Fernando Ochôa, Jorge Foques, Luis Franke, Marco Sório e a participação especial de Zeca Kiechaloski. Felipe Helfer assina o cenário, Ochôa a iluminação e Rodrigues os figurinos. A trilha sonora é de Sérgio Rojas, preparação vocal de Marisa Rotenberg.