Porto Alegre

20ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, sexta-feira, 20 de Abril de 2018

  • 15/03/2018
  • 13:55
  • Atualização: 15:02

Adaptação teatral de "O Sol é Para Todos" enfrenta processo por "alterar personagens"

Antes de morrer em 2015, Harper Lee assinou contrato para a versão para os palcos

Obra já foi adaptada para o cinema em 1962  | Foto: Divulgação / CP

Obra já foi adaptada para o cinema em 1962 | Foto: Divulgação / CP

  • Comentários
  • Correio do Povo

Uma das obras da Broadway mais esperadas do ano - a adaptação do roteirista Aaron Sorkin da novela de Harper Lee "O Sol é Para Todos" - enfrenta um desafio legal iniciado pelo espólio da autora Lee, que está processando a criação. A ação judicial, registrada em um tribunal federal no Alabama, argumenta que a versão teatral desvia-se demais da obra original e viola um contrato entre a autora e os produtores, o que estipula que os personagens e a trama devem permanecer fiel a o espírito do livro. O contrato afirma que a autora "terá o direito absoluto e incondicional de aprovar o dramaturgo para a montagem" e que "também deve ter o direito de rever o roteiro e fazer comentários que devem ser considerados de boa fé pelo dramaturgo, que não deve derrogá-lo ou sair de forma alguma do espírito da novela nem alterar seus personagens".

Harper firmou parceria com o produtor Scott Rudin em 29 de junho de 2015, poucos meses antes de morrer aos 89 anos, pelo direito de criar uma peça sobre seu famoso romance, centrado em Atticus Finch, um advogado que defende um réu negro acusado de estupro. Contudo, um ponto-chave do processo diz que a versão teatral apresenta o protagonista como um homem que começa o drama como um apologista ingênuo ao status quo racial, uma descrição em desacordo com sua imagem puramente heróica no romance. A equipe de Rudin está argumentando que não, e que, enquanto os produtores devem ouvir a visão da propriedade, eles são os árbitros finais de se a produção é fiel ao romance. "Não posso e não apresentarei uma peça que sinta que foi escrita no ano em que o livro foi escrito em termos de política racial: não seria de interesse", disse Rudin em uma entrevista ao site Vulture. "O mundo mudou desde então", rebateu.

Sorkin defende que seu roteiro apresenta uma abordagem diferente daquelas da escritora ou de Mockingbird do que Harper Lee ou de Horton Foote, que escreveu o roteiro do filme baseado na obra e lançado em 1962. "Ele se torna Atticus Finch no final da peça, e enquanto ele está indo, ele tem uma espécie de disputa com Calpurnia, a governanta, que tem um papel muito maior na peça que acabei de escrever. Ele está em negação sobre o seus vizinhos, seus amigos e o mundo ao seu redor, tão racista como é, que um júri do Condado de Maycomb poderia colocar Tom Robinson na prisão quando é tão óbvio o que aconteceu aqui. Ele se torna um apologista para essas pessoas", explicou ao mesmo site.

Tonja Carter, a representante do espólio de Harper Lee, acredita que Sorkin, de fato, se afastou do romance. Ela também se opôs à alegada adição de dois personagens que não existem no livro, a "alteração" dos personagens de Jem e Scout Finch, além de afirmar que a roteiro não apresenta uma descrição justa da cidade na qual a obra é ambientada. A peça, que está programada para começar as visualizações em 1º de novembro e para estrear 13 de dezembro na Broadway, é uma produção conjunta de Rudin e do Lincoln Center Theatre, onde as sessões ocorrem.