Porto Alegre

23ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, sábado, 21 de Outubro de 2017

  • 26/12/2016
  • 17:30
  • Atualização: 18:34

Pilotos de avião da LaMia sabiam que combustível era insuficiente, diz investigação oficial

Aeronave com delegação da Chapecoense caiu na Colômbia

Pilotos estavam cientes da limitação, de acordo com o secretário de Segurança Aérea do governo colombiano | Foto: Raul Arboleda / AFP / CP

Pilotos estavam cientes da limitação, de acordo com o secretário de Segurança Aérea do governo colombiano | Foto: Raul Arboleda / AFP / CP

  • Comentários
  • AFP

O avião da companhia boliviana LaMia, que caiu quando transportava a delegação da Chapecoense, tinha combustível limitado para o trajeto que percorria. A informação consta nos resultados da investigação preliminar da Aeronáutica Civil da Colômbia, divulgados nesta segunda-feira em Bogotá.

Os pilotos "estavam cientes de que o combustível que tinham não era o adequado, nem o suficiente", declarou o secretário de Segurança Aérea do governo colombiano, Freddy Bonilla, em coletiva de imprensa. Apesar do pouco combustível, os pilotos não repassaram a informação às autoridades aeronáuticas colombianas e só anunciaram estar em situação de emergência a seis minutos do impacto, na zona rural de Medellín, onde faleceram 71 pessoas, entre integrantes da delegação da Chapecoense, jornalistas e tripulantes.

Ainda segundo o governo colombiano, o piloto da aeronave, Miguel Quiroga, e o copiloto, Ovar Goytia, planejaram aterrissar em Bogotá ou na cidade colombiana de Leticia (no sul do país) por "estar no limite do combustível", mas não realizaram qualquer requerimento para cumprir o planejado. "Até agora, temos evidencias de que nenhum fator técnico influenciou no acidente, tudo está relacionado ao fator humano e administrativo", afirmou Bonilla. Segundo o secretário, embora o avião viajasse com excesso de cerca de 500 quilos de peso, isto não foi "determinante" para o acidente.

De acordo com o inquérito, a autoridade encarregada de aprovar os planos de voo na Bolívia errou ao aceitar as condições "inaceitáveis" propostas pela LaMia e permitiu que o avião, modelo RJ85, voasse acima dos 29.000 pés, altitude para a qual não tinha capacidade.