Porto Alegre

23ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

  • 06/12/2017
  • 15:44
  • Atualização: 15:48

Após reunião com presidente, Abel assegura permanência no Fluminense em 2018

Técnico recebeu sondagens de clubes como Palmeiras e Internacional, além de clube chinês nas últimas semanas

Técnico recebeu sondagens de clubes como Palmeiras e Internacional, além de clube chinês nas últimas semanas | Foto: Nelson Perez / Fluminense F.C. / CP

Técnico recebeu sondagens de clubes como Palmeiras e Internacional, além de clube chinês nas últimas semanas | Foto: Nelson Perez / Fluminense F.C. / CP

  • Comentários
  • AE

Abel Braga vai permanecer à frente do Fluminense em 2018. Nesta quarta-feira, o treinador confirmou que seguirá no comando do clube carioca, com quem possui contrato até 31 de dezembro do próximo ano, após participar de uma reunião com o presidente da equipe, Pedro Abad.

Ao acertar o seu retorno ao Fluminense em dezembro de 2016, Abel firmou um acordo com o clube por duas temporadas. Porém, havia dúvidas sobre a sua permanência por causa dos graves problemas financeiros do time, o que provocou a saída de vários jogadores durante a temporada.

Além disso, Abel recebeu sondagens de clubes do futebol brasileiro, como Palmeiras e Internacional, e chinês nas últimas semanas. O treinador, porém, decidiu na reunião da última terça permanecer à frente do Fluminense, o que o levará a se tornar o segundo treinador que mais vezes dirigiu a equipe.

"Desde que voltei, disse que queria chegar a ser o segundo treinador a dirigir por mais vezes o clube. E esse foi um dos motivos de não ter aceitado o convite de três clubes da China e de outros aqui do Brasil. Além disso, não gostaria de largar o Fluminense nesse momento difícil. Sem falar que tenho um ótimo relacionamento com o Pedro e o Cacá (Cardoso, vice-presidente do Fluminense). Todos sabem da enorme identificação que tenho com essas três cores. E a votação do torcedor pela minha permanência, através de um site, me sensibilizou e me encheu de orgulho. Espero retribuir com um time que possa, da mesma forma, orgulhar o torcedor", declarou, em comunicado oficial.

Abad festejou a permanência de Abel e prometeu um time mais forte para o torcedor do Fluminense em 2018. "É com muita alegria que, na noite de terça-feira, acertamos a continuidade do Abel para o ano que vem. O Abelão vai continuar com a gente! Uma pessoa de caráter ímpar e uma identificação muito grande com o nosso Tricolor. O torcedor demostrou claramente que queria a continuidade dele, através das enquetes e pesquisas da internet. O trabalho continua. Já pensamos no elenco para 2018. Tenho a certeza que no próximo ano, com um elenco mais experiente e reforçado, a gente vai ter um resultado esportivo muito melhor do que em 2017", disse.

Abel já dirigiu o Fluminense em 294 jogos, o que o deixa atrás de Ondino Viera, com 297, e Zezé Moreira, com 474, na relação de treinadores que mais vezes dirigiu o clube. Esta é a terceira passagem do treinador pelo time, sendo que foi ele campeão carioca em 2005 e 2012 e do Campeonato Brasileiro em 2012.

Alexandre Torres sai

Ainda que Abel tenha permanecido, o Fluminense anunciou nesta uma mudança em seu departamento de futebol para a próxima temporada. O gerente de futebol Alexandre Torres foi dispensado e deixa o clube após somente um ano no cargo. Seu substituto deverá ser revelado nos próximos dias.

"Dando início ao plano de trabalho do futebol para 2018, o Fluminense Football Club comunica a saída do gerente de futebol, Alexandre Torres. O clube agradece pelos serviços prestados e deseja sucesso em sua nova empreitada. A diretoria irá anunciar um novo nome para comandar o departamento nos próximos dias", informou a diretoria.

Alexandre Torres assumiu o cargo de gerente de futebol do Fluminense no início do ano. Apesar da decisão do clube de dispensá-lo, o ex-zagueiro tinha boa relação com os jogadores e chegou a ser elogiado por Abel em algumas oportunidades.

Formado na base do Fluminense, Alexandre Torres atuou no clube entre 1985 e 1990 como zagueiro. Já na função de gerente de futebol, não conseguiu ajudar a evitar a fraca campanha da equipe neste último Campeonato Brasileiro. Os cariocas terminaram a competição somente na 14.ª colocação, com 47 pontos.