Correio do Povo | Notícias | Praias gaúchas têm sol e chuva no último dia do ano

Porto Alegre, quinta-feira, 20 de Junho de 2019

  • 31/12/2014
  • 12:25
  • Atualização: 12:41

Praias gaúchas têm sol e chuva no último dia do ano

Em Torres, veranistas ficaram na orla para se despedir de 2014

  • Comentários
  • Fernanda Pugliero

O último dia de 2014 amanheceu como pede o figurino de verão: com sol intenso. A nebulosidade, no entanto, avisava silenciosa aos banhistas que logo iria chover. E foi o que aconteceu. Por volta das 11h, pancadas caíram sobre Torres, no Litoral Norte. Ao invés de afugentar, a chuva alegrou. A sensação de abafamento foi dissipada pelas gotas d'água. Por causa da chuva, as crianças foram retiradas pelos pais da água e alguns preferiram seguir para almoçar.

No entanto, grande parte dos banhistas permaneceu na areia para despedir-se do ano. E teve gente que também aproveitou o 31 de dezembro para agradecer pelos 364 dias que ficaram para trás. Na gruta de Torres, ao pé do Morro do Farol, oferendas foram colocadas para Iemanjá e Ogum, a entidade de 2015. "A oferenda pode ser feita para agradecer ou para pedir", explica Aline Flâmia, designer de produto de Caxias do Sul, que veraneia em Torres. Para Iemanjá, ela e outras duas amigas trouxeram duas cestas branco e azul com uvas e canjica branca. Para o Ogum, a oferenda era amarela.

José Osvaldo da Silva, conhecido como "gabarito", estava de folga do trabalho na prefeitura do município. Tirou o dia para cuidar da gruta que, além de estátuas de Iemanjá, conta com imagens de Nossa Senhora Aparecida. O movimento era intenso no local. "Tem santo para todas as religiões, mas já houve mais, só que quebraram", afirma. Ele reclama da falta de corrimão nas escadarias que levam até a gruta e da falta de iluminação no local. "De dia alguém pode cair e à noite há risco de assalto", justifica.

Enquanto alguns pedem ou agradecem, outros lucram. Antes da chuva cair, Joelma prometeu: "Vou ficar rico hoje". Joelma é o nome artístico adotado pelo goiano Maurílio Batista de Freitas que há oito verões vende biquínis pelas areias de Torres. Quando perguntado se eram os biquínis que o fariam ganhar dinheiro, ele completou a informação: "Joguei na mega". Cada peça de banho custa entre R$ 20 e R$ 50. Segundo Joelma, o biquíni de franjinha é a tendência desse verão. "Eu vendo mais vestido de mulher do que de homem, porque assim me sinto mais livre para opinar nas escolhas da mulherada", explica. Após a temporada, Joelma volta a ser chamado de Seu Freitas. Em Caldas Novas (GO), onde vive com a família, ele, que tem 54, trabalha desde os 18 anos de idade como animador de rodeio.