Porto Alegre

15ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, domingo, 19 de Novembro de 2017

  • 06/03/2017
  • 12:56
  • Atualização: 13:08

Coordenadoria Regional de Educação é ocupada em Santana do Livramento

Cerca de 30 pessoas se manifestaram contra fechamento de escola agrícola

Cerca de 30 pessoas se manifestaram contra fechamento de escola agrícola | Foto: MST / Assessoria de Imprensa / Divulgação / CP

Cerca de 30 pessoas se manifestaram contra fechamento de escola agrícola | Foto: MST / Assessoria de Imprensa / Divulgação / CP

  • Comentários
  • Correio do Povo

* Com informações da Asssessoria de Comunicação do MST/RS

Cerca de 30 pessoas ocupam o prédio da 19ª Coordenadoria Regional da Educação (CRE) no município de Santana do Livramento, na região da Fronteira Oeste do Estado, desde às 10h desta segunda-feira. O grupo, composto por pais, alunos e professores, se manifesta contra o fechamento do anexo da Escola Estadual de Ensino Fundamental Ataliba Rodrigues das Chagas, localizada no Assentamento Madre Terra, em São Gabriel. Eles prometem que só irão desocupar o local mediante reabertura da escola e início das aulas.

Os assentados afirmam que já foram feitas denúncias ao Ministério Público Estadual (MPE) sobre as ameaças de fechamento da unidade, além de reuniões com a Secretaria Municipal da Educação e a 19ª CRE. No entanto, com o início do ano letivo, a escola está de portas fechadas, deixando 18 alunos sem ter onde estudar.

"A coordenadoria alega que a escola é muito longe e que há dificuldades para o transporte chegar até lá. Mas a escola anexo foi conquistada há três anos, justamente porque as crianças tinham que acordar de madrugada e andar sete quilômetros a pé para poder estudar", explicou Eduardo Moraes, que dá aulas de capoeira no local.

A assentada e professora Daiane Marçal acrescentou que, antes da conquista da escola no Assentamento Madre Terra, as crianças chegavam atrasadas nas aulas e foram vítimas de acidentes devido às condições precárias das estradas. "Depois de caminhar por horas, elas tinham que andar de ônibus mais 30 quilômetros para chegar à escola. Isso é um absurdo", argumentou.