Porto Alegre

23ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, terça-feira, 20 de Fevereiro de 2018

  • 19/01/2018
  • 20:04
  • Atualização: 20:09

PF cumpre mandado em casa de estudante da Bahia sob suspeita de fraude no Enem

Candidato teria usado celular para transcrever trecho de livro na redação

Candidato teria usado celular para transcrever trecho de livro na redação | Foto: Marcos Santos / USP / CP

Candidato teria usado celular para transcrever trecho de livro na redação | Foto: Marcos Santos / USP / CP

  • Comentários
  • Agência Brasil

A Superintendência da Polícia Federal (PF) na Bahia cumpriu nesta sexta-feira, em Salvador, mandado de busca e apreensão na casa de um estudante para apurar denúncia de fraude no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). O candidato cometeu um plágio, copiando um trecho de um livro relacionado ao tema escolhido neste ano para a redação. O rapaz confessou o crime.

O candidato reproduziu a sinopse do livro Redação de Surdos: uma Jornada em Busca da Avaliação Escrita, de Maria do Carmo Ribeiro, lançado pela editora Prismas em 2015. O tema da redação do Enem deste ano foi Desafios para a Formação Educacional de Surdos. A PF começou a apurar o caso após receber informações do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), órgão do Ministério da Educação responsável pelo Enem, sobre a ocorrência de um plágio em uma prova aplicada em Salvador.

De acordo com a delegada responsável pelo inquérito, Suzana Jacobina, o candidato confessou que usou um telefone celular para ter acesso ao conteúdo na redação, sem que tenha sido visto pela equipe de fiscalização da prova. A PF continuará a investigação, mas, em uma avaliação preliminar, considerou o caso como isolado, envolvendo apenas um estudante. A delegada descarta, no momento, que haja risco de alguém ter vazado o conteúdo da prova, o que poderia comprometer a validade do Exame como um todo.

“Com as provas até então colhidas, a linha de investigação mostra que o caso foi isolado. A princípio, o Enem está real, não tem risco de ser suspenso. Mas tudo ainda precisa ser confirmado”, afirmou a delegada Suzana Jacobina.