Porto Alegre

17ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, quinta-feira, 27 de Abril de 2017

  • 11/01/2017
  • 15:19
  • Atualização: 15:27

Sapucaia e Esteio ficarão sem atendimento noturno dos bombeiros até 31 de janeiro

Ocorrências serão transferidas para cidades vizinhas

Sapucaia ficará sem atendimento 11 noites e seis dias | Foto: Fernanda Bassôa / Especial / CP

Sapucaia ficará sem atendimento 11 noites e seis dias | Foto: Fernanda Bassôa / Especial / CP

  • Comentários
  • Fernanda Bassôa

A falta de efetivo e de horas-extras segue obrigando os quartéis do Corpo de Bombeiros da região Metropolitana a programar escalas de suspensão de serviços. Em Sapucaia do Sul, o atendimento está suspenso até o próximo dia 31 de janeiro. A interrupção nas chamadas externas vale para o período das 20h às 8h. Esteio, cidade vizinha, o quartel está programado para não atender ocorrências externas nas noites de 14, 15, 17, 19, 21, 22, 24, 26, 28, 29 e 31 de janeiro.

“Se mantiver essa programação, haverá noites em que Esteio e Sapucaia não estarão de serviço e os chamados terão que ser atendidos pelas equipes de São Leopoldo e Canoas”, disse o comandante de Esteio, sargento Álvaro do Nascimento, que contabiliza dois militares na Operação Golfinho e outro que está entrando para reserva. “Três homens a menos. Isso deve se manter até março.”

O comandante da corporação em Sapucaia, sargento Fernando Dalpiaz, informou ainda que nos próximos três finais de semana o efetivo também não atuará durante o dia. “Durante à noite ficará apenas um bombeiro de plantão atendendo o telefone e repassando os chamados para cidades vizinhas. Nos dias de serviço, quatro bombeiros estarão na escala para atender ocorrências externas”, explica.  O sargento ressalta que o efetivo atende uma média de três incêndios por semana. “Por três vezes tivemos que suspender os serviços no ano passado, em setembro, outubro e dezembro. Desta vez serão 21 noites e seis dias, um tempo muito longo.”

A dona de casa, Sandra Albuquerque Silva dos Santos, 34 anos, que mora com quatro filhos no bairro Capão da Cruz, diz que ficar sem os serviços dos bombeiros por tanto tempo é um absurdo. “E se acontece um incêndio de grandes proporções ou um acidente grave na RS 118 ou na BR 116? Quanto tempo vão levar para os bombeiros da cidade vizinha chegar aqui? Tamanho descaso com a comunidade que paga seus impostos em dia e tem um serviço pela metade.”