Porto Alegre

21ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, quinta-feira, 19 de Outubro de 2017

  • 16/07/2017
  • 16:30
  • Atualização: 19:26

Poder eleitoral venezuelano pede à oposição que não crie "falsas expectativas"

Plebiscito simbólico contra o presidente Nicolás Maduro e sua convocação de uma Assembleia Constituinte ocorre neste domingo

Plebiscito simbólico contra o presidente Nicolás Maduro e sua convocação de uma Assembleia Constituinte ocorre neste domingo | Foto: Raul Arboleda / AFP / CP

Plebiscito simbólico contra o presidente Nicolás Maduro e sua convocação de uma Assembleia Constituinte ocorre neste domingo | Foto: Raul Arboleda / AFP / CP

  • Comentários
  • AFP

O poder eleitoral da Venezuela pediu à liderança opositora que evite criar "falsas expectativas" com o plebiscito simbólico que realiza neste domingo contra o presidente Nicolás Maduro e sua convocação de uma Assembleia Constituinte. "É uma atividade política que não tem consequência jurídica. O importante aqui é que não se criem falsas expectativas, tampouco se gere nenhuma tentativa de violência", expressou a presidente do Conselho Nacional Eleitoral (CNE), Tibisay Lucena, em entrevista coletiva.

Sem o aval do CNE, que acusa de servir a Maduro, a oposição convocou a consulta com a meta de mostrar um repúdio majoritário à Constituinte, que, segundo pesquisas privadas, é rejeitada por sete em cada 10 venezuelanos. "Eles podem perguntar o que quiserem, porque é um exercício político. O que não se pode é confundir, fazendo pensar que isso possa ter algum valor jurídico", assinalou Tibisay. A coalizão opositora Mesa da Unidade Democrática (MUD) afirma que o plebliscito será o marco zero de uma escalada em seus protestos contra Maduro a fim de bloquear a Constituinte, cujas eleições estão marcadas para o próximo dia 30.

O CNE organizou, paralelamente ao plebiscito opositor, uma simulação do processo para escolher os 545 constituintes, do qual a oposição se negou a participar, por considerá-lo "uma fraude" do presidente socialista para instaurar "uma ditadura".

Tibisay expressou que estão sendo testados o mecanismo eleitoral e as medidas de segurança propostas para "realizar o exercício do voto sem riscos", ante os chamados dos adversários de Maduro para se bloquear o processo. A funcionária ratificou que haverá "sanções de acordo com a lei" para quem tentar bloqueá-lo.

Maduro afirma que a Constituinte é "o único caminho para a paz", em meio à grave crise política e econômica no país sul-americano.