Correio do Povo | Notícias | Trump diz que Venezuela é um desastre que precisa de limpeza

Porto Alegre, domingo, 22 de Setembro de 2019

  • 28/09/2018
  • 17:37
  • Atualização: 19:08

Trump diz que Venezuela é um desastre que precisa de limpeza

Maduro se despediu de Nova York assegurando que sua participação foi bem sucedida

Após não descartar diálogo, Trump volta a desferir críticas ao regime de Maduro | Foto: Mandel Ngan / AFP / CP

Após não descartar diálogo, Trump volta a desferir críticas ao regime de Maduro | Foto: Mandel Ngan / AFP / CP

  • Comentários
  • AFP

O presidente americano, Donald Trump, disse nesta sexta-feira ao iniciar uma reunião na Casa Branca com Sebastián Piñera, presidente chileno, que a Venezuela é um "desastre" que precisa ser resolvido. "Vamos falar da Venezuela, entre muitos outros assuntos", disse Trump à imprensa ao receber o presidente chileno, com um cumprimento simpático. "A Venezuela precisa de uma limpeza e as pessoas precisam ser cuidadas", acrescentou o presidente americano.

Nesta semana, também na ONU, Trump disse, sobre a Venezuela, que "todas as opções estão na mesa, todas. As fortes e as menos fortes". "E vocês já sabem o que eu quero dizer com força", ameaçou o presidente dos Estados Unidos em referência a uma intervenção militar. Sobre se ele vai se encontrar com o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, Trump disse: "Vamos ver o que acontece".

Na manhã desta sexta, ante a Organização dos Estados Americanos, Piñera reiterou, contudo, que não acredita na opção militar como solução para a crise na Venezuela. O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, se despediu nesta sexta-feira da Assembleia Geral, assegurando que a sua participação foi "uma vitória total". "Sucesso total", declarou o questionado presidente em um vídeo gravado em Nova York, a caminho do aeroporto, e publicado em sua conta no Twitter.

"A verdade da Venezuela foi ouvida", afirmou. "Vitória na ONU. Vitória total". "A verdade dos nossos povos prevalecerá sempre sobre o ódio e a mentira", escreveu. Maduro condenou, por sua vez, "a agressão permanente" de Washington, mas disse a Trump que queria se reunir com ele e apertar sua mão.