Correio do Povo | Notícias | Após polêmicas, presídio feminino abre e recebe primeiras detentas em Lajeado

Porto Alegre

22ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, terça-feira, 28 de Fevereiro de 2017

  • 09/01/2017
  • 17:35
  • Atualização: 17:40

Após polêmicas, presídio feminino abre e recebe primeiras detentas em Lajeado

Com 84 vagas, espaço está pronto desde julho do ano passado

Após polêmicas, presídio feminino abre e recebe primeiras detentas em Lajeado | Foto: Neiva Motta / Susepe / Divulgação / CP

Após polêmicas, presídio feminino abre e recebe primeiras detentas em Lajeado | Foto: Neiva Motta / Susepe / Divulgação / CP

  • Comentários
  • Bibiana Dihl / Rádio Guaíba

Depois de polêmicas envolvendo uma decisão judicial e a entrega dos cargos de diretoras, o Presídio Feminino Estadual de Lajeado, no Vale do Taquari, começou a funcionar nesta segunda-feira. O espaço, com 84 vagas, está pronto desde julho do ano passado, mas permanecia fechado devido à necessidade de adequações. O presídio foi construído pela comunidade e pela Prefeitura, sem participação do Estado com verba pública.

Na terça-feira passada, decisão judicial determinou a abertura da casa prisional, que recebeu as primeiras sete detentas hoje. Elas foram condenadas em Lajeado, mas haviam sido transferidas para outros presídios porque não havia espaço em Lajeado.

Ainda na semana anterior, outras duas polêmicas cercaram a abertura: a substituição do delegado penitenciário regional, supostamente responsável por barrar a abertura do presídio, e a entrega do cargo por parte das três diretoras designadas para serem responsáveis pelo local. O presídio, hoje, já conta com uma diretora interina, Carla Andreia Antunes de Oliveira, e uma chefe de segurança definitiva, Andreia Estivalet. Outros 10 agentes penitenciários foram designados a atuar na casa prisional.

Entenda a polêmica

Na terça-feira, o juiz Luís Antônio Johnson determinou a abertura do presídio em até 72h, prazo que fechou na última sexta. No entanto, a abertura na segunda-feira foi considerada aceitável, porque a casa prisional, que está pronta desde julho, nunca abriu. A decisão judicial desencadeou uma série de polêmicas, como a troca do delegado regional e a entrega dos cargos da diretoria.

Na quinta-feira passada, o agente penitenciário Elton Ribeiro assumiu a função de delegado penitenciário da 8ª Delegacia Regional no lugar de Eugênio Eliseu Ferreira, supostamente responsável por barrar a abertura da casa prisional. Ferreira vai ser transferido para outro cargo.

A Associação Lajeadense Pró-Segurança comprou os equipamentos ainda pendentes para o início do funcionamento – 12 extintores de incêndio e gás. A penitenciária, que conta com direção nomeada desde a inauguração, teve custo de quase R$ 900 mil, sendo que cerca de 70% dos recursos foram viabilizados através de penas alternativas aplicadas pelo Judiciário, além da arrecadação comunitária com eventos promovidos no município do Vale do Taquari.