Porto Alegre

13ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, quinta-feira, 27 de Abril de 2017

  • 17/03/2017
  • 18:48
  • Atualização: 19:03

Prefeito e CDL de Charqueadas apoiam vinda de presídio federal

Investimento e geração de empregos foram destacados pelo Executivo e por empresários

Prefeito e CDL de Charqueadas apoiam vinda de presídio federal | Foto: Luiz Chaves / Piratini / CP

Prefeito e CDL de Charqueadas apoiam vinda de presídio federal | Foto: Luiz Chaves / Piratini / CP

  • Comentários
  • Heron Vidal

Pessoalmente, o prefeito Simon Heberle de Souza preferia a vinda de uma grande empresa ao município de Charqueadas, mas nem por isso ele deixa de comemorar o anúncio da localização do presídio federal, indicado pelo governo do Estado. “É investimento de R$ 60 milhões na obra e vai gerar empregos diretos, indiretos e contratos a empresas”, destaciy.

Conforme Souza, o governo federal fará concurso público de 400 vagas só para a operação do presídio. “São salários de R$ 5,4 mil iniciais, o que vai dinamizar nosso mercado imobiliário e economia local”, projetou. Se fosse a obra fosse ruim, acrescentou, não haveria outras 17 cidades interessadas em sediá-la.

Com 37 mil habitantes, dos quais 5 mil população carcerária, Charqueadas ganhará com o presídio, segundo estimativa de Souza, mais apoio, mais atenção federal e investimentos como, por exemplo, asfalto. Hoje a cidade tem seis presídios, três fechados (PASC, PEJ e PEMC) e três semiabertos (Colônia Penal Agrícola, Jacuí e IPCH).

Empresariado favorável

Para o presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas de Charqueadas, Nairo Delfin Delgado Mirapalheta, a entidade já comunicou ao prefeito sua posição favorável à vinda do presídio federal. “Vamos ter mais segurança, empregos, obras, manutenção, investimentos e vendas no comércio”, diz.

Na avaliação do empresário, o município já é um polo prisional e não tem problemas por isso. “Gostaríamos de ser uma cidade polo naval, fluvial, mas não deu certo. Sediar presídios não é ruim, existe lado bom. Nosso problema são os presídios semiabertos e não os fechados como será o federal”, afirmou. Mesmo assim, Mirapalheta observa que a população de agentes e servidores vai crescer na cidade.