Porto Alegre

26ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, domingo, 17 de Dezembro de 2017

  • 19/04/2017
  • 12:10
  • Atualização: 12:48

Polícia Civil descarta indiciar universitária que fez apologia ao nazismo em escola

Estudante já está em tratamento e foram ouvidos todos os envolvidos no caso

Caso ocorreu no Colégio Estadual Paula Soares no Centro de Porto Alegre | Foto: Guilherme Testa / CP Memória

Caso ocorreu no Colégio Estadual Paula Soares no Centro de Porto Alegre | Foto: Guilherme Testa / CP Memória

  • Comentários
  • Guilherme Kepler / Rádio Guaíba

A estagiária que praticou apologia ao nazismo durante uma aula no Colégio Estadual Paula Soares, localizado no Centro de Porto Alegre, não será indiciada pela Polícia Civil. Segundo o titular da 1ª Delegacia de Polícia, Paulo César Jardim, a estudante de filosofia não temcondições de responder pelos seus atos. ”Nós estamos lidando com um caso clínico, não com um caso de polícia. Nós estamos lidando com uma doença, não com um caso de polícia”, afirmou o delegado.

Segundo Jardim, a estudante já está em tratamento e foram ouvidos todos os envolvidos no caso, que foi caracterizado como inimputabilidade criminal. O inquérito será encaminhado nesta semana à Justiça.

Entenda o caso

A diretora do Colégio Estadual Paula Soares, em Porto Alegre, denunciou à polícia uma estagiária por agredir uma aluna e fazer apologia ao nazismo. O caso teria ocorrido no dia 23 de março. A universitária, que havia iniciado estágio na escola, foi imediatamente afastada pela direção.

A diretora do Colégio Paula Soares, Genecy Terezinha Godois Segala, contou que a estagiária se apresentou sendo nazista e exigia que os alunos fizessem uma saudação alusiva ao nazismo. “A aluna contou que a estagiária, no momento em que a professora regente saiu da sala, se apresentou, de uma maneira inacreditável. ‘Eu sou nazista e exijo de vocês que toda vez que eu entrar, vocês façam a saudação’. Eles começaram a rir e acharam que era uma provocação, mas ela continuou falando: ‘Aqui eu sou a autoridade, eu mando, vocês obedecem’.

Uma aluna teria feito uma pergunta, e neste momento, a estagiária disse para estudante ficar em pé. Quando ela recusou, teria recebido um puxão na orelha e um tapa na coxa. 

A Secretaria Estadual de Educação, em nota, informou que afastou a estagiária da escola e comunicou a Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS) que a aluna do curso de Filosofia não está mais autorizada a realizar estágios na rede estadual. Já a PUCRS informou que a instituição está avaliando internamente a situação de forma acadêmica e pedagógica. E por se tratar de um assunto delicado, está prestando apoio a todas as partes envolvidas, para que haja uma resolução do caso.

A Universidade esclareceu ainda que a aluna é bacharel em Filosofia e que cursa atualmente licenciatura. E que no histórico acadêmico nunca havia apresentado reação semelhante a apresentada durante seu estágio no Colégio Estadual Paula Soares.