Correio do Povo | Notícias | Relator da Comissão de Ética da Assembleia pede cassação de Jardel

Porto Alegre, segunda-feira, 17 de Junho de 2019

  • 08/06/2016
  • 11:57
  • Atualização: 13:55

Relator da Comissão de Ética da Assembleia pede cassação de Jardel

Se relatório for aprovado, processo seguirá para CCJ

Se relatório for aprovado, processo seguirá para CCJ | Foto: Juarez Junior / Agência ALRS / CP

Se relatório for aprovado, processo seguirá para CCJ | Foto: Juarez Junior / Agência ALRS / CP

  • Comentários
  • Correio do Povo e Rádio Guaíba

O relator da Comissão de Ética da Assembleia Legislativa (AL) do Estado, deputado Sérgio Turra (PP), pediu a cassação do deputado Mario Jardel (PSD) em sessão na manhã desta quarta-feira. Agora o relatório será votado pela Comissão. No caso de aprovação, o processo irá para a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). Passando, o caso de Jardel será apreciado pelo plenário da Casa.

Leia mais sobre Jardel

No pedido, Turra afirma que foi comprovado o envolvimento do processado com o tráfico de drogas, já que a esposa de um traficante trabalhava no escritório do ex-centroavante. O relator afirmou ser inquestionável que Jardel retirou diárias que não foram realizadas ou cujo objetivo não era o mandato, mas um claro desvio de finalidade.

Na sessão da Comissão, o corregedor da Casa, deputado Marlon Santos, também pediu a cassação alegando que não restou dúvida do envolvimento de Jardel com traficantes e o uso da estrutura da AL para crimes. "Não consigo imaginar um deputado andar para cima e para baixo com um traficante", disse Santos.

Assim como ocorreu nas três audiências marcadas para depoimentos do deputado, Jardel não compareceu à sessão. O ex-centroavante está de atestado médico.

Jardel é acusado pelo Ministério Público (MP), com outras dez pessoas, de integrar uma organização criminosa criada para se apropriar de diárias, manter funcionários “fantasmas” e exigir o repasse de parte dos salários de assessores. A estimativa do MP é que pelo menos R$ 212 mil podem ter sido desviados com o auxílio de documentos falsos.