Porto Alegre

26ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, quinta-feira, 23 de Novembro de 2017

  • 14/11/2017
  • 00:25
  • Atualização: 00:31

Temer promete MP para alterar reforma trabalhista até o fim de semana, diz Paim

Senador recebeu informação de telefonema do presidente do Congresso Eunício Oliveira

Senador recebeu informação de telefonema do presidente do Congresso Eunício Oliveira | Foto: PT-RS / Divulgação CP

Senador recebeu informação de telefonema do presidente do Congresso Eunício Oliveira | Foto: PT-RS / Divulgação CP

  • Comentários
  • Correio do Povo

O senador Paulo Paim afirmou, durante evento em Alvorada nesta segunda-feira, ter o compromisso de prazo para que o presidente, Michel Temer, edite Medida Provisória alterando pontos da reforma trabalhista. No discurso, ele relatou ter recebido ligação do presidente do Senado, Eunício Oliveira.

"Recebi telefonema informando que Temer vai editar até o final da semana MP para amenizar os efeitos trágicos", comentou. "Estou vigilante e, com certeza, apresentarei dezenas de emendas", projetou o senador.

Antes, ele criticou a precarização que algumas companhias já estão empregando para seus trabalhadores. "Começou o caos da reforma trabalhista do Temer. Vários fast-food estão pagando R$ 4,45 por hora de trabalho, mais nada. E vem coisa muito pior, como o horário de almoço de apenas 30 minutos."

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse nesta segunda-feira que considera inconstitucional uma medida provisória (MP) que venha a ser editada para fazer ajustes à Reforma Trabalhista, que entrou em vigor no dia 11. No entanto, ele disse que vai respeitar o acordo feito entre o presidente Michel Temer e o Senado para colocar em pauta a MP, caso essa seja a opção feita pelo governo federal.

Para garantir a aprovação da Reforma Trabalhista em julho, o governo federal convenceu os senadores a não alterar o texto que havia sido aprovado pelos deputados, pois se houvesse mudanças ele teria que ser votado novamente na Câmara dos Deputados. Em contrapartida, Michel Temer prometeu fazer posteriormente, por meio de uma MP, os ajustes em pontos polêmicos criticados pelos senadores.