Porto Alegre

22ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, sexta-feira, 24 de Março de 2017

  • 19/03/2017
  • 22:45
  • Atualização: 22:47

Produtores são as grandes vítimas do esquema descoberto na Carne Fraca, diz CNA

Para o presidente da Confederação, os produtores vão “pagar o pato” do impacto negativo dos problemas descobertos pela operação

Para o presidente da Confederação, os produtores vão “pagar o pato” do impacto negativo dos problemas descobertos pela operação | Foto: Wenderson Araújo / CNA / CP

Para o presidente da Confederação, os produtores vão “pagar o pato” do impacto negativo dos problemas descobertos pela operação | Foto: Wenderson Araújo / CNA / CP

  • Comentários
  • Agência Brasil

O presidente da Confederação Nacional da Agricultura (CNA), João Martins, disse no fim da tarde deste domingo, após reunião com o presidente Michel Temer, que os produtores são as grandes vítimas do esquema de “maquiagem” de carnes estragadas descoberto pela Operação Carne Fraca, da Polícia Federal. Martins cobrou punição enérgica aos agentes públicos e as empresas envolvidas no esquema criminoso e reforçou o discurso de que o problema é isolado.

“Tem que ser dividido esse esclarecimento [à sociedade]. Se fala muito em esclarecer, mostrar lá fora para os países importadores de carne de que temos uma defesa sanitária muito boa e temos mesmo. Agora, temos que mostrar para a nossa população que nós produtores somos as grandes vítimas disso tudo”, disse Martins.

Para o presidente da CNA, no primeiro momento, os produtores vão “pagar o pato” do impacto negativo dos problemas descobertos pela Operação Carne Fraca. “Com certeza, [vamos pagar o pato] no primeiro momento com a especulação. Alguns frigoríficos podem usar de má fé e dizer que a cotação do boi caiu por causa do mercado exportador ter recuado, mas não existe nenhum mercado externo que tenha recuado até o momento”, disse.

Segundo Martins, na reunião no Palácio do Planalto, o presidente Michel Temer apresentou aos representantes dos produtores as medidas emergenciais que estão sendo tomadas após a descoberta de que grandes empresas do setor alimentício estavam, com a conivência de fiscais agropecuários federais, estavam comercializando carne estragada ou com a adição de produtos impróprios.

“O presidente mostrou a nós as medidas que já foram tomadas, de punir os 33 ficais que foram pegos nessa situação, fechar as três unidades e pedir que exista mais rigor”, disse o presidente da CNA. “Os produtores, a sociedade brasileira precisam ter a certeza de que estão consumindo carne com inspeção perfeita, da melhor qualidade possível, não só dizer que somos um grande exportador de carne e frango, temos que comer aqui a mesma qualidade que é exportada”.

Preocupado com o impacto negativo da Operação Carne Fraca, o presidente Michel Temer marcou neste domingo uma série de reuniões com ministros, representantes do setor agropecuário e diplomatas de países importadores de carne brasileira.