Porto Alegre

13ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, quinta-feira, 27 de Abril de 2017

  • 19/03/2017
  • 23:33
  • Atualização: 00:23

Planalto diz que todas carnes servidas a Temer e embaixadores eram brasileiras

Funcionários do estabelecimento afirmaram que a carne bovina consumida pelo presidente e os embaixadores é importada da Argentina, Uruguai e Austrália

Temer jantou no local neste domingo acompanhado de ministros e embaixadores e representantes de 27 países, em um gesto político para tentar minimizar os efeitos negativos da Operação Carne Fraca  | Foto: Beto Barata / PR / CP

Temer jantou no local neste domingo acompanhado de ministros e embaixadores e representantes de 27 países, em um gesto político para tentar minimizar os efeitos negativos da Operação Carne Fraca | Foto: Beto Barata / PR / CP

  • Comentários
  • AE

O Palácio do Planalto afirmou neste domingo, em nota, que as "todas as carnes" servidas ao presidente Michel Temer e aos embaixadores convidados para o jantar em uma churrascaria de Brasília eram de origem brasileira. Segundo o governo, a gerência do estabelecimento teria apresentado os produtos servidos a outros veículos de imprensa que questionaram a origem do produto, sem citar que veículos foram esses.

A versão do Planalto é diferente do que informaram funcionários da churrascaria ao Broadcast Político. Segundo funcionários ouvidos pela reportagem, a carne bovina que o presidente e os embaixadores comeram não era de origem brasileira. A informação de garçons do restaurante era de que somente as carnes suínas e de frango servidas no local são nacionais. A carne bovina é importada da Argentina, Uruguai e Austrália.

Um atendente da churrascaria também afirmou que as carnes bovinas eram importadas, quando contactados pela Coluna do Estadão. Por telefone, um atendente do restaurante afirmou à coluna que a churrascaria "só trabalha com corte europeu, australiano e uruguaio". "Pode vir tranquilo, que a gente mostra a câmara fria e o açougue" disse o funcionário do estabelecimento. O Broadcast Político não conseguiu contato novamente com o restaurante após a nota do Planalto.

Temer jantou no local neste domingo acompanhado de ministros e embaixadores e representantes de 27 países, em um gesto político para tentar minimizar os efeitos negativos da Operação Carne Fraca sobre a venda de carne brasileira. Eles participaram de um rodízio. O Palácio do Planalto reservou uma mesa para 80 pessoas. O preço do rodízio por pessoa foi de R$ 119. O valor incluía carnes, um bufê de saladas, acompanhamentos e sushi. A bebida era à parte.

Temer comeu carne bovina e frango, quejo coalho assado, acompanhado de caipirinha. Na mesa, também foi servido vinho tinto nacional, da vinícola Casa Valduga, produzido em Bento Gonçalves (RS). A conta foi paga pelo Planalto, que não informou o valor. Temer passou cerca de uma hora no local. No final, tirou foto com os garçons que o serviram. Em rápida entrevista, disse que a mensagem que queria passar com o jantar era de que não há motivos para causar "terror" no exterior sobre a carne brasileira.

Veja a nota do Planalto:

"Todas carnes servidas, neste domingo, ao presidente Michel Temer e aos embaixadores convidados para jantar na churrascaria Steak Bull foram de origem brasileira. A gerência do estabelecimento inclusive apresentou os produtos servidos a órgãos sérios da

imprensa que questionaram a origem do produto."