Porto Alegre

25ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, quarta-feira, 29 de Março de 2017

  • 20/03/2017
  • 10:03
  • Atualização: 10:36

Sartori e bancada federal discutem recuperação fiscal do Rio Grande do Sul

Ao menos R$ 124 milhões devem ser disponibilizados para área da Segurança

Sartori e bancada federal discutem recuperação fiscal do Rio Grande do Sul  | Foto: Vitória Famer / Rádio Guaíba / Especial / CP

Sartori e bancada federal discutem recuperação fiscal do Rio Grande do Sul | Foto: Vitória Famer / Rádio Guaíba / Especial / CP

  • Comentários
  • Vitória Famer / Rádio Guaíba

O governador do Estado José Ivo Sartori está em reunião, desde as 8h30min desta segunda-feira, com a bancada federal do Rio Grande do Sul para debater, principalmente, o regime de recuperação fiscal do Estado e as emendas apresentadas pelos parlamentares gaúchos para as áreas da Agricultura e da Segurança Pública.

O encontro ocorre porque o regime de recuperação fiscal voltará a ser discutido no Congresso Nacional nesta semana e tem grandes chances de ser aceito. A assessoria do deputado federal Giovani Cherini (PDT), que representa o Estado em Brasília, passou uma estimativa de que R$ 100 milhões podem ser encaminhados para a Agricultura para investimentos.

O deputado Cherini anunciou que, após um acordo coletivo na reunião, o município de Alvorada, na região Metropolitana do Estado, será o principal destino dos investimentos em Segurança Pública. Cherini ainda antecipou que vai apresentar um projeto a bancada, com execução para o ano de 2018, em que cria um fundo para a infraestrutura municipal na Capital. 

Outros R$ 124 milhões seriam disponibilizados para o setor de Segurança Pública, sendo que R$ 100 milhões para investimentos e os R$ 24 milhões restantes para custeio. O governador Sartori reiterou que o Estado fez o seu "dever de casa". Segundo ele, o governo dialogou com o próprio presidente Michel Temer e com os ministros da Fazenda e do Planejamento para flexibilização do plano de recuperação fiscal. Sartori disse que apesar dos esforços, a decisão está nas mãos dos deputados federais.