Correio do Povo | Notícias | Eleição é marcada por filas em Porto Alegre e Região Metropolitana

Porto Alegre, terça-feira, 25 de Junho de 2019

  • 07/10/2018
  • 15:40
  • Atualização: 18:31

Eleição é marcada por filas em Porto Alegre e Região Metropolitana

Na Capital, algumas pessoas tiveram que aguardar até 1 hora para votar

Em Porto Alegre, algumas pessoas tiveram que aguardar 1 hora para votar | Foto: Alina Souza

Em Porto Alegre, algumas pessoas tiveram que aguardar 1 hora para votar | Foto: Alina Souza

  • Comentários
  • Correio do Povo

* Com informações das jornalistas Mauren Xavier, Fernanda Bassôa, Stephany Sander e do jornalista Paulo Tavares 

Uma antiga conhecida dos eleitores, do tempo em que as cédulas eram de papel, voltou a aparecer nestas eleições: a fila para votar. Em Porto Alegre foi preciso muita paciência neste domingo ensolarado e quente para conseguir votar em algumas seções eleitorais. O principal problema era relacionado à exigência da biometria. Além disso, o fato de o eleitor precisar digitar o número de seis candidatos foi apontado como outro ponto de lentidão.

Em várias escolas da zona Norte de Porto Alegre as filas formaram-se a partir do meio da manhã. Na escola Santa Rosa, os eleitores, mesmo os mais idosos, precisaram ficar na rua e no sol para esperar o momento de votar. As filas geravam outro problema: a concentração de pessoas nos corredores, o que fazia com que a confusão fosse maior. Na escola João Antonio Satte, no bairro Rubem Berta, o tempo médio de espera era de 30 minutos.

"Não imaginava que haveria tanta fila. As pessoas estavam muito perdidas", relatou Maria de Fátima Lopes, após sair da seção de votação. A demora surpreendeu Camila Oliveira, que atualmente em Canoas. Acompanhada do filho André, de 6 anos, disse ter ficado mais de 30 minutos na espera. "Realmente foi além do que imaginava".

No Colégio Aplicação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs) a situação também se repetiu. Junto às seções, muitas filas e reclamações pelo sistema de biometria, o que provocava tumulto e gerava dúvidas. Isso porque muitas pessoas que não fizeram a biometria no TRE, tiveram os dados recolhidos d Departamento de Identificação do Instituto Geral de Perícias (DI/IGP). A informação, entretanto, não foi divulgada com antecedência pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE) e causou dúvidas entre os eleitores e atraso no processamento dos votos.

A votação a partir da digital é opcional e o eleitor não é obrigado a fazê-la, mas recomendado. A verdade, no entanto, é que, em um futuro próximo, quem optou pela votação a partir do cadastro do DI/IGP, poderá ter a vida facilitada, uma vez que sua digital já foi inserida no banco de dados do TRE.

Filas pelo interior do Estado

Houve atraso e filas nas cidades de Novo Hamburgo e São Leopoldo tiveram atraso devido a problemas na leitura digital para biometria. Em Canoas, no Colégio Castelo Branco também houve a formação de filas e muita demora para votar. Na Serra, Gramado, na região das Hortênsias, houve o registro de filas em algumas seções bem como em Santa Cruz do Sul.

No País, houve registro de filas na cidade do Rio de Janeiro em razão da validação da biometria. Na Rocinha, eleitores ficaram até duas aguardando para votar. Em Brasília, no Distrito Federal, o presidente do Supremo Tribunal, Dias Toffoli, aguardou por quase 1 hora para votar. O ministro ressaltou o número de idosos que não são mais obrigados a votar e pessoas com dificuldade de locomoção que passaram nas seções vizinhas onde vota, no Distrito Federal.