Correio do Povo | Notícias | Municipários criticam Marchezan por falta de diálogo

Porto Alegre, quarta-feira, 18 de Setembro de 2019

  • 18/09/2018
  • 21:31
  • Atualização: 21:39

Municipários criticam Marchezan por falta de diálogo

Simpa define o status atual dos funcionários como em "estado de greve"

Municipários criticam Marchezan por falta de diálogo | Foto: Guilherme Testa / CP Memória

Municipários criticam Marchezan por falta de diálogo | Foto: Guilherme Testa / CP Memória

  • Comentários
  • Heron Vidal

Os municipários de Porto Alegre, em assembleia realizada na noite desta terça-feira, avaliaram os 41 dias da greve geral da categoria, encerrada no último dia 10 e também, segundo o diretor-geral do Sindicato dos Municipários (Simpa), Alberto Terres, a negativa do prefeito Nelson Marchezan Júnior em abrir mesa de negociação sobre as reivindicações dos servidores.

Enquanto durasse a greve o Prefeito alegava não ter como não negociar com os servidores, lembrou o dirigente. Porém, no dia 10 passado o Simpa enviou ofício no qual comunicou oficialmente o encerramento da paralisação e solicitou reunião de negociação. Apesar do ofício, e de tentativas de abertura de diálogo, Marchezan tem se mantido em silêncio, registrou o diretor-geral do Simpa.

Mais uma vez, crítica Terres, "Marchezan Júnior mente para os municipários, mente para a Câmara de Vereadores, e mente para a cidade de Porto Alegre". Na parte salarial, a reivindicação entregue em abril à Prefeitura pede reajuste de 6,85% (maio de 2016 a abril de 2018) e reposição de 8,85%, correspondentes às perdas históricas. Há outras exigências do Simpa, relativas à retirada de projetos contra conquistas da categoria da Câmara de Vereadores.

Estado de greve

Ao todo os municipários formam um contingente de 14 mil servidores ativos. O Simpa define o status atual dos funcionários como em "estado de greve". Terres frisou que a qualquer momento a mobilização geral pode ser retomada. Tudo vai depender da evolução ou não da tentativa de diálogo com o prefeito.

Uma decisão da assembleia é organizar campanhas e denunciar locais de trabalho onde estejam ocorrendo situações de assédio moral contra os servidores grevistas. O assédio, entende o Simpa, agride o direito constitucionalmente garantido de os trabalhadores aderirem a movimentos de protesto, e grevistas, na defesa de seus direitos.

Os servidores ainda decidiram ampliar o contato com a população sobre os problemas de Porto Alegre, com a realização de plenárias regionais. Para esta semana não há nenhuma agenda de nova assembleia da categoria, embora estejam marcados atos de protesto contra candidatos identificados como contrários à causa do serviço público.