Porto Alegre

25ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, sábado, 18 de Novembro de 2017

  • 17/07/2017
  • 18:11
  • Atualização: 18:20

Janot diz que "não tem pressa" para entregar nova acusação contra Temer

Procurador afirmou que não deixará de cumprir ofício se houver novas provas

Janot diz que não tem pressa para entregar nova acusação contra Temer | Foto: Marcelo Camargo / Agência Brasil / CP Memória

Janot diz que não tem pressa para entregar nova acusação contra Temer | Foto: Marcelo Camargo / Agência Brasil / CP Memória

  • Comentários
  • AE

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, disse que "não tem pressa" em apresentar uma nova acusação contra o presidente Michel Temer no caso JBS. A nova denúncia poderá atribuir ao presidente crime de obstrução de Justiça. A primeira, que imputa corrupção passiva a Temer, patina na Câmara, única instância que pode ou não autorizar abertura de ação penal contra o presidente. "Se até o último dia do meu mandato houver provas não vou deixar de cumprir meu ofício e vou apresentar uma nova denúncia", afirmou Janot, em palestra nos Estados Unidos, nesta segunda-feira.

Indagado sobre qual será sua reação se a Câmara rejeitar a primeira acusação formal a Temer, o procurador declarou. "Como eu vou aceitar a decisão da Câmara? Com a maior naturalidade possível. Eu fiz o meu trabalho. Cada um faz o seu. O meu trabalho está feito. Eu não vou insistir nessa denúncia, porque eu não tenho como tecnicamente insistir nessa denúncia. A denúncia está oferecida, os fatos estão descritos. Tem uma narrativa lógica, os indícios de prova estão apontados. Entendo existir autoria e materialidade. Não autorizou o processamento, ela vai ficar suspensa", resumiu.  

Janot disse ainda que uma nova investigação precisa estar madura para terminar com o oferecimento de uma outra denúncia. "O fato de eu poder ou não oferecer outras denúncias em razão dessas investigações não têm nada a ver com isso. Absolutamente nada. Eu vou fazer o meu trabalho, como fiz até agora. Se alguma investigação chegar, estiver madura até 15 de setembro, ofereço a denúncia. Como se não estiver madura, porque não se obteve nada, peço arquivamento. Fico aguardando a troca de bastão na Procuradoria-Geral da República para o prosseguimento dela", explicou.  

O procurador reiterou que o Ministério Público "não tem pressa e nem retarda denúncia, o que depende é a investigação"."Existem investigações em curso. Essas investigações, uma está mais adiantada que a outra, se até o dia 15 de setembro que é o último dia útil do meu mandato, eu tiver esse quadro definido eu não posso, sob pena de prevaricar, deixar de praticar o meu ato de ofício", argumentou. "Se não houver (um quadro definido), o Ministério Público não vê a necessidade de oferecer uma denúncia. Não, eu tenho a necessidade de apurar e, convencido de que o fato é típico, convencida a materialidade do crime e definida a autoria, aí sim partiremos para a fase do processo penal", acrescentou.