Porto Alegre

19ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, quinta-feira, 27 de Julho de 2017

  • 11/07/2017
  • 16:51
  • Atualização: 16:55

Exportações de carne suína e de frango caem no semestre, mas receitas disparam

Análise da Associação Brasileira de Proteína Animal foi feita quatro meses depois da Operação Carne Fraca

Frango teve queda de 6,4% na comercialização  | Foto: Rodrigo Fonseca / AFP / CP

Frango teve queda de 6,4% na comercialização | Foto: Rodrigo Fonseca / AFP / CP

  • Comentários
  • Agência Brasil

Quatro meses após a Operação Carne Fraca, os níveis de exportações de carne de frango, de suíno e ovos estão próximos ao período anterior da investigação. A análise é da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), com base nos resultados do primeiro semestre do ano, divulgados nesta terça-feira. Deflagrada em 17 de março, a operação apura participação de agentes públicos em suposto esquema de fraude na fiscalização de alimentos com indícios de adulteração.

A ABPA reúne empresas e entidades das cadeias agroindustriais de aves, ovos e suínos de todo o Brasil. Apesar de o volume de carnes exportadas ter reduzido, a receita cresceu, tanto para frangos como para suínos. Foram comercializadas 2,121 milhões de toneladas de frango nos primeiros seis meses do ano, um decréscimo de 6,4% em relação aos 2,226 milhões de toneladas comercializadas no primeiro semestre de 2016.

A receita, por sua vez, aumentou 5,9%, passando de US$ 3,384 bilhões para US$ 3,583 milhões. O Oriente Médio, principal destino do frango brasileiro, importou 716,5 mil toneladas, volume 10% inferior ao registrado no mesmo período do ano passado. Na carne suína, as receitas cresceram ainda mais: 28,5%. Foram negociados US$ 634 milhões em 2016 e US$ 815 milhões em 2017. Em relação ao volume de suínos, foram 353 mil toneladas em 2016 e 343 mil toneladas neste ano, uma redução de 2,8%. A venda de ovos, no entanto, teve redução no volume (-55%) e na receita (-53%). O volume passou de 7,5 mil toneladas para 3,3 mil toneladas neste ano. O faturamento nos primeiros seis meses do ano ficou em US$ 4,7 milhões.

"A menor oferta internacional de produtos, decorrente de diversos fatores - como os focos de influenza aviária [gripe aviária], inclusive, em diversos grandes exportadores — foram determinantes para uma melhora no preço internacional do setor, o que permitiu obter níveis de receita cambial favoráveis, especialmente neste momento em que nossas exportações se reorganizavam após as suspensões dos embarques", justifica nota da ABPA. A entidade destaca ainda que a "boa" oferta de milho e soja colabora com a cadeia agroindustrial. "Diferentemente do ocorrido em 2016, (a oferta de milho e soja) proporciona ao setor, neste ano, melhores condições de competitividade", aponta.

A ABPA prevê que, considerando a recuperação da imagem internacional do setor, o segmento terá um crescimento de 1% no volume de carnes comercializadas internacionalmente em 2017, na comparação com o ano anterior.