Contemplação

Na sacada, fiquei por alguns minutos, tentando ser plateia deste teatro do qual todos somos personagens. Venci a culpa do inútil. Como assim? Deixar as tarefas com uma certa finalidade para me permitir a observação dos corpos sobre as pedras urbanas? Sim, preciso enxergar multiplicidade. Sapatos sociais, pressa, chinelos de dedo, calma, vestido florido, leveza. … Continuar lendo Contemplação

Nuvens

Esperamos claridade. Associamos felicidade à paisagem ensolarada. Pura idealização. Temos de estar prontos para tudo. A insistir nas rotas mesmo debaixo de mau tempo. Mais que o fim, importa o durante. Os 365 dias em conjunto. As reentrâncias do caminho. Nem sempre tal qual desejamos, mas belo e intenso por si só. A instabilidade convoca … Continuar lendo Nuvens

Natal

Num desses dias de Porto Alegre tórrida, fui fotografar as obras na Av.Tronco. Em meio ao calçamento inacabado, vi enfeites natalinos confeccionados com garrafas PET, pneus e a simplicidade de uma comunidade unida em busca de celebração. Desloquei-me até aquela atmosfera do boneco de neve e esqueci brevemente os 36°. Não era um pinheiro gigante, … Continuar lendo Natal

Subsequente

Há pesadelos que nos enroscam em labirintos. Mas logo a luz da manhã invade e lembramos de acordar. Seguimos. A sequência de horas, sentimentos, linhas a serem preenchidas.Tão simples como um dia após o outro. Sob o fio condutor do tempo. Ágil, discreto, silencioso. Não é que ele apague as marcas das feridas. As histórias … Continuar lendo Subsequente

Prêmio Direitos Humanos

Dia 10 de dezembro, Dia Internacional de Direitos Humanos.  Os fotógrafos do Correio do Povo,  Ricardo Giusti e Mauro Schaefer, foram agraciados no 35º Prêmio Direitos Humanos de Jornalismo. Giusti recebeu o terceiro lugar da categoria pela cobertura dos atos contra a Reforma da Previdência na Argentina, que ocorreram em dezembro de 2017. O fotógrafo Mauro Schaefer recebeu Menção Honrosa … Continuar lendo Prêmio Direitos Humanos

Refrescar a mente

Aventuras. Precisamos delas. De um lado, a zona de conforto convida para uma vida mecânica. De outro, os sonhos nos chamam. Por que deixá-los para depois, se podemos nos atirar, destemidos, à felicidade? Movidos por ideais, saltamos todos os obstáculos. As paixões desconstroem a monotonia dos dias programados. Às vezes, elas se encontram tímidas, acostumadas … Continuar lendo Refrescar a mente