Correio do Povo | Notícias | Parentes de voo da Chapecoense têm acesso a fundo de de seguradora

Porto Alegre, sexta-feira, 20 de Setembro de 2019

  • 28/11/2018
  • 19:07
  • Atualização: 19:12

Parentes de voo da Chapecoense têm acesso a fundo de de seguradora

Conforme empresa, famílias poderão assinar requerimento ao fundo até março de 2019

Voo com delegação da Chapecoense caiu logo antes de chegar a Medellín | Foto: AFP / CP

Voo com delegação da Chapecoense caiu logo antes de chegar a Medellín | Foto: AFP / CP

  • Comentários
  • AFP

Um “número significativo” de famílias das vítimas do avião da companhia boliviana LaMia, que se acidentou há dois anos na Colômbia com a equipe da Chapecoense e jornalistas a bordo, teve acesso a um fundo de assistência criado por uma seguradora, informou a companhia nesta quarta-feira.

A empresa de seguros BISA havia negado o pagamento da apólice de seguros, argumentando que a companhia aérea cometeu “violações técnicas e contravenções contratuais”, mas criou um “fundo de assistência humanitária” para as vítimas.

“Clyde e Co. LLP, reconhecido escritório de advocacia internacional, com sede em Londres, administrador do Fundo de Assistência Humanitária, informou que o primeiro grupo de famílias já assinou os respectivos documentos de transação para ter acesso aos recursos econômicos”, informou a BISA em um declaração enviada à agência de notícias AFP.

Sem dar detalhes de quantos tiveram acesso a esse fundo e qual o montante, a seguradora acrescentou que “espera-se que, nas próximas semanas, um grande grupo de famílias o faça também”, e que o resto terá um prazo até 28 de março de 2019 para se inscrever.

Tragédia completa dois anos

Há exatamente dois anos, o avião da LaMia, com matrícula boliviana, caiu pouco antes de chegar ao aeroporto colombiano José María Córdova, Río Negro, a cerca de 20 quilômetros de Medellín, com a delegação da Chapecoense, que viajava para disputar a sua primeira final internacional, contra o Atlético Nacional, pela Copa Sul-americana.

No acidente morreram 71 pessoas, incluindo 19 jogadores, 14 membros da comissão técnica e nove diretores do clube catarinense. Apenas seis ocupantes sobreviveram: uma aeromoça, um técnico de aviação, um jornalista e três jogadores. A investigação das autoridades colombianas concluiu que a aeronave caiu devido à falta de combustível.


TAGS » Chapecoense