Correio do Povo

07/12/2017 08:16 - Atualizado em 07/12/2017 08:41

Notícias > Cidades

Gestante recebe glicose com prazo vencido em Novo Hamburgo

Informação foi descoberta após mãe da paciente se manifestar no Facebook

Informação veio a tona após mãe da paciente se manifestar no Facebook- Crédito: Stephany Sander / Especial
Informação veio a tona após mãe da paciente se manifestar no Facebook
Crédito: Stephany Sander / Especial

A Fundação de Saúde Pública de Novo Hamburgo (FSNH) instaurou uma sindicância para apurar o caso de uma gestante que teria recebido glicose com prazo de validade vencido no laboratório municipal da cidade. A informação veio a tona a partir de uma publicação da mãe da paciente no Facebook. Na mensagem, uma foto do frasco mostra uma etiqueta onde a validade do medicamento aparece como sendo de 6 de junho deste ano. Segundo a nota divulgada na tarde dessa quarta-feira, o frasco em questão trata-se de uma solução concentrada de glicose pronta para uso, utilizada para a sobrecarga de glicose no organismo daqueles que realizam o teste de tolerância à substância. Conforme o texto, é de conhecimento técnico que não se trata de medicamento, por isso não causa efeito negativo na saúde do usuário. A Fundação de Saúde lamenta o ocorrido afirmando que o frasco em questão faz parte de lote extenso comprado em 2016, cujos os frascos restantes foram descartados e nova compra já encaminhada. Com a abertura da sindicância instaurada para apuração dos fatos, caso necessário serão tomadas as medidas administrativas necessárias. A Fundação de Saúde ainda destaca que emitiu Ordem de Serviço determinando que seja realizado balanço de todos os insumos, medicamentos e materiais em todos os setores hospitalares e Unidades Básicas de Saúde de gerência da instituição. Ainda na tarde de ontem, a presidente da Câmara de Vereadores de Novo Hamburgo, Patrícia Beck, foi até o laboratório municipal e constatou diversos itens vencidos. Segundo ela, está sendo finalizada uma denúncia com todas as informações e provas para encaminhar denúncia sobre a situação ao Ministério Público Estadual e ao Conselho Federal de Farmácia.

 

CIDADES > correio@correiodopovo.com.br