Correio do Povo | Notícias | Trump culpa "regime socialista" por crise na Venezuela

Porto Alegre, quinta-feira, 18 de Julho de 2019

  • 25/09/2018
  • 12:59
  • Atualização: 13:20

Trump culpa "regime socialista" por crise na Venezuela

Presidente denunciou "tragédia humana" durante seu discurso na Assembleia Geral da ONU

Presidente também convocou todos os países reunidos na ONU a reivindicarem

Presidente também convocou todos os países reunidos na ONU a reivindicarem "a restauração da democracia" na Venezuela | Foto: John Moore / Getty Images North America / AFP / CP

  • Comentários
  • AFP

O presidente americano, Donald Trump, condenou nesta terça-feira a "tragédia humana" vivida na Venezuela e convocou todos os países reunidos na ONU a reivindicarem "a restauração da democracia" nesse país sul-americano. "Atualmente, somos testemunhas de uma tragédia humana, por exemplo, na Venezuela", afirmou Trump, em seu discurso na Assembleia Geral, minutos depois de o Departamento do Tesouro dos EUA anunciar mais sanções contra o entorno do presidente Nicolás Maduro.

• Trump descarta se reunir presidente do Irã em NY

Trump disse que mais de dois milhões de venezuelanos deixaram o país nos últimos anos, fugindo dos danos infligidos pelo "regime socialista" e por seus "patrocinadores cubanos". "Não faz muito tempo, a Venezuela era um dos países mais ricos da Terra. Hoje, o socialismo arruinou esta nação rica em petróleo e levou seu povo à pobreza abjeta", denunciou, alegando que, por toda parte, o socialismo, ou o comunismo, produziram "sofrimento, corrupção e decadência".

• Secretário-geral da ONU inaugura assembleia criticando o caos mundial

"Todas as nações do mundo devem resistir ao socialismo e à miséria que traz para todos. Nesse espírito, pedimos às nações reunidas aqui que se unam a nós no apelo pela restauração da democracia na Venezuela", disse Trump. "Hoje estamos anunciando sanções adicionais contra o regime repressivo, apontando para o círculo íntimo e para os assessores próximos", indicou.

• Trump afirma que 2ª reunião com Kim Jong-un será "muito em breve"

Os Estados Unidos impuseram sanções a quatro pessoas: a primeira-dama Cilia Flores; a vice-presidente Delcy Rodríguez; o ministro da Comunicação, Jorge Rodríguez; e o ministro da Defesa, Vladimir Padrino López. As autoridades americanas também anunciaram ações contra uma rede que apoia um suposto testa de ferro de Cabello nos Estados Unidos e embargaram um avião privado de 20 milhões de dólares. Com essas sanções, todos os ativos dessas pessoas no território americano ficam congelados.